sexta-feira, 3 de abril de 2009

Volubilidade

Tenho medo da volubilidade.
O ser humano é tão inconstante, seus sentimento mudam em frações de segundos.
Um dia dizemos que amamos, no outro dia não pudemos ouvir o nome de certa pessoa.
O que acontece, será que é o medo da insatisfação, ou uma falta de controle moral?
Isso me dá medo,
é difícil entregar o coração a alguém assim,
principalmente quando nós próprios temos esse problema,
sim, eu sempre penso nisso,
não sei se todo mundo é assim,
mas, às vezes basta uma palavra ou um gesto,
e posso mudar minha opinião, tem dias que há a prospecção a esse ato,
de certa forma o amor verdadeiro nem liga pra isso,
mas é assim.
Uma hora estamos consciente, outra hora duvidamos da nossa sanidade naquele momento.
A vida nem sempre será assim,
o casamento foi feito para que essas dúvidas morram,
sim quando se é dita aquelas palavras a reflexão não pode acontecer naquele momento,
afinal é na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza,
ali pomos à prova o que realmente acreditamos e esperamos.

Mediante a tantos pensamentos e dogmas,
acredito que venho crescendo pessoalmente como uma pessoa íntegra e um pouco moralista,
acredito também que uma boa estória contém esses e mais conceitos, odeio aquelas que não querem dizer nada.

Resolvi escrever sobre isso hoje embora este meu pensamento eu já tenho a anos.
A vida tem sempre surpresas,
e hoje na minha vasculha pelo bairro de bicicleta, tomei um rumo diferente e encontrei uma ex-colega de escola, me pergunto o que me fez fazer isso,
seria sexto sentido, ou Deus, ou sorte, ou "carma", bom a idéia não é essa, de qualquer jeito foi uma coisa boa, ela é legal e sempre está linda.

Bom, em clima de escola.
Vou postar o meu primeiro poema, feito lógico na escola, é foi feito numa aula de produção de texto onde a idéia era formar uma poesia sobre o pôr-do-sol.
Bem, eu não sei a diferença entre poesia e poema, já li, mas isso não se fixa em minha mente, pra mim é tudo igual, rsrs.

Lá vai.

Título: O pôr-do-sol


No fim de tarde
o sol vai se pondo
e as trevas vem chegando
o fim é a diferença

A diferença entre a luz e a escuridão
A ação e a reação
O brilho do seu olhar
o amor me faz lembrar
O pôr-do-sol é a luz que faltava em minha vida
O Criador fez o pôr-do-sol para lembrar
Que a vida um dia chega ao fim!

Assim como a rosa murcha
Nós envelhecemos
Mesmo com a dor viveremos
Mas o que nos dá força
Faz a gente se lembrar
Desistir não dá
Um mundo lindo tempos para explorar
Milhões de coisas a descobrir
E assim
Um novo sorriso surgir.

Ta aí, sempre com aquela idéia de começar triste e terminar feliz, talvez isso seje da minha personalidade, mas pra mim faz parte do meu estilo literário, eu brinquei com meu colega que eu criei um estilo neo-modernista padrão de arte, rsrs.

7 comentários:

Philip Rangel disse...

OO Silas todos os dias estamos mudando ne...esse faz parte do processo de vida nee........

abraçao

Thiago Assis disse...

isso não me assusta, isso só me deixa mais fascinado pela complexidade do ser humano.


www.thiagogaru.blogspot.com

Wilian Shopenhauer disse...

^^'

O ser humano é uma caixinha de surpresas.. coloque-o mediante á uma situação de preção e então vai reconhecê-lo realmente!

Gostei da poesia... Conseguir escrever na escola pra mim seria um milagre.. muita bagunça e gritaria num lugar só. A inspiração vai por água à baixo em um lugar desses.! Rsrs'

Abraço.

Atreyu disse...

Mudar é sinal de vida...
Mudar é altamente benéfico...

faz parte da life

Maysha disse...

Ola vim desejar-te uma Pascoa feliz, com amendoas e chocolates.
Com saude e amor.
Vou de ferias, ate breve
Beijo
Isa

Philip Rangel disse...

Como comentei..passando pra agradecer Silas e da um alooo...

continua o conto ai...

abraços

Marcella ♥ disse...

Somos seres em mutação.
Amei seu texto, tem post novo no meu blog, AONDE ALIAS O SENHOR NAUM MARCA PRESCENSA A MTO TEMPO!

Bjos!