quinta-feira, 13 de agosto de 2009

A chave da psicologia do Amor


O amor romântico se tem manifestado em muitas culturas no desenrolar da história. Nós o encontramos na literatura da Grécia antiga, no Império Romano, na antiga Pérsia e no Japão feudal, mas a nossa sociedade ocidental moderna é a única cultura da história que teve a experiência do amor romântico como um fenômeno de massa. Somos a única sociedade a cultivar o ideal do "amor romântico" e a fazer do romance a base de casamentos e relacionamentos amorosos.

O ideal do amor romântico irrompeu na sociedade ocidental durante a Idade Média, surgindo pela primeira vez na literatura no mito de Tristão e Isolda, depois nos poemas e nas canções de amor dos trovadores. Era conhecido como "amor cortês" e tinha por modelo o intrépido cavaleiro que honrava uma bela dama e fazia dela a sua inspiração, o símbolo de toda a beleza e perfeição, o ideal que o incentivava a ser nobre, espiritualizado, refinado e voltado para assuntos "elevados". Na nossa época introduzimos o amor cortês nos casamentos e nos relacionamentos sexuais, mas ainda mantemos a crença medieval de que o amor verdadeiro tem de ser a adoração extática de um homem ou de uma mulher que representa para nós a imagem da perfeição.

O amor romântico é um desses fenômenos psicológicos realmente arrasadores que surgiram na história dos povos ocidentais. Foi algo que esmagou nossa psique coletiva e alterou permanentemente nossa visão do mundo. Ainda não aprendemos a lidar coletivamente com o tremendo poder do amor romântico. Freqüentemente nós o transformamos em tragédia e alienação e não em relacionamentos humanos duradouros. Acredito, porém, que se homens e mulheres compreenderem os mecanismos psicológicos que atuam por trás do amor romântico e aprenderem a lidar com eles conscientemente, terão nas mãos a chave para novas possibilidades de relacionamento, tanto com os outros como consigo mesmos. Nosso veículo para explorar o amor romântico é o mito de Tristão e Isolda. Trata-se de um dos mais comoventes, belos e trágicos de todos os grandes relatos épicos. Foi a primeira história na literatura ocidental a lidar com o amor romântico, e é a fonte da qual se originou toda a nossa literatura romântica, desde Romeu e Julieta até a história de amor em cartaz nos cinemas do bairro. Aplicando os princípios da psicologia jungiana, interpretaremos os símbolos do mito e conheceremos por ele as origens, a natureza e o significado do amor romântico.

O mito de Tristão e Isolda, como o de Parsifal2, é um "mito masculino". Ele retrata a vida do jovem Tristão que se transforma num herói nobre e altruísta, para depois se deparar com uma experiência arrasadora em sua vida: a paixão pela Rainha Isolda. É como uma simbólica peça de tapeçaria, que retrata em cores vivas o desenvolvimento da consciência individual do homem na luta para conquistar sua masculinidade, conscientizar-se do seu lado feminino e lidar com o amor e o relacionamento. É uma história que mostra um homem dividido entre a lealdade e as forças conflitantes que se agitam ferozmente na psique masculina, enquanto ele é consumido pelas alegrias, paixões e sofrimentos do romance.

Mesmo assim, existe neste mito muita coisa de grande valor e interesse para as mulheres, pois Tristão revela também o mecanismo universal do amor romântico que é comum a homem e mulheres (ver "Uma observação para as mulheres"). Examinar esse mito, senti-lo como uma rica evocação do processo da psique ocidental, é algo que irá ajudar a mulher não apenas a compreender melhor o homem na sua vida, como também a ver mais claramente as forças misteriosas que atuam dentro dela mesma.'

Tanto para o homem quanto para a mulher, enxergar realisticamente o amor romântico é uma tarefa heróica. É algo que nos força a ver não apenas a beleza e o potencial contidos no amor romântico, como também as contradições e as ilusões que trazemos conosco ao nível inconsciente. Jornadas heróicas conduzem sempre a vales sombrios e a confrontos difíceis mas, ao perseverarmos, alcançaremos um novo estágio de conscientização.



- Trecho retirado do livro de mesmo nome do título da postagem - "A chave da psicologia do Amor", resolvi postar pois achei interessante saber a fonte de tantas histórias românticas da modernidade, e também por ser demonstrada por um ponto de vista psicológico que é uma análise mais detalhista do que simplesmente apreciadores. Bom, espero que tenham gostado.

5 comentários:

Wilian Bincoleto Wenzel disse...

Eu gostei bastante! Ainda mais porque meu blog "o relata" bastante. Rsrs'

Infelizmente não se vê mais o "Amor verdadeiro" como antigamente. Tudo se tornou tão banal. Relacionamentos duradouros estão extintos. Homens e mulheres que valorizem uns aos outros é uma coisa quase que impossível de se ver. Mas ainda há esperança.

Obrigado por dividir este belo trecho conosco!

Forte abraço!

Arthur A. Melo. disse...

O Amor está escasso

deixei um selo para você passa no meu blog para pegar.

http://arthurmelo92.blogspot.com/

Abraço.

Eu, Thiago Assis disse...

naquela epoca o amor real nao era o romantico, mas sim o de interesses...
e hj ainda nao é mto diferente em certos casos...
a historia se repete, numa espiral, isso fato.

mari disse...

muito bom o texto..
pra mim, ainda existe amor verdadeiro e relacionamentos duradouros...é só as pessoas terem paciência para esperar a sua hora...

Tamyris Torres disse...

ele é fogo que arde sem ser ver...
Eu morro por um amor, qualidade ou defeito?